ABRAÇÃO DE BOAS-VINDAS.



PODE ENTRAR. FIQUE Á VONTADE.

VOCÊ NO CANTO DA POESIA,

AO ENTRAR TRAZ ALEGRIA

AO SAIR DEIXA SAUDADE.

UM POUCO DE MIM



SOU PERNAMBUCANO NASCIDO EM GARANHUNS. CRIADO NO MATO, NA FAZENDA LAGOA DE BELAMENTE, DISTANTE 12 KM DO COLÉGIO DIOCESANO ONDE ESTUDEI O 1º CICLO. ANTES DISSO ESTUDAVA EM CASA NUMA ESCOLA RURAL FUNDADA POR MEU PAI, NO TEMPO DA PALMATÓRIA.
FOI UMA LINDA INFÂNCIA, CONVIVENDO COM UM POVO SIMPLES, HONESTO E TRABALHADOR.
APRENDI GOSTAR, ADMIRAR E SEGUIR ESSA GENTE BOA, HUMILDE, SINCERA, SOFREDORA, CHEIA DE SABEDORIA, DE RESPONSABILIDADE E DE ALMA FORROZEIRA, VERSOS BREJEIROS, DE BENDITOS E REISADOS, DE ABOIOS E TOADAS, DAS CONVERSAS SEMPRE AFINADAS E AS VIOLAS TAMBÉM.
DEPOIS DE HOMEM QUASE FEITO, FUI AOS POUCOS ME AFASTANDO, COMO TODOS OS RAPAZES DE CIDADES SEM INDÚSTRIAS, QUE SAEM A PROCURA DE MELHORES RUMOS. ESTIVE NA AERONÁUTICA, EM RECIFE, DOIS ANOS. EM 60 FUI TRABALHAR NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. MAS MEU PENSAMENTO VIVIA NO NORDESTE, NA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO, CHESF. EM 64 CONSEGUI UMA VAGA E ENTREI NA
MÃE CHESF. NELA GANHEI E GOZEI A VIDA. FIZ O 2º CICLO EM RECIFE E FIZ 8 CURSOS TÉCNICOS POR CONTA DA EMPRESA. (E POR MINHA CONTA ME ESPECIALIZEI EM DANÇA-DE-RODA, RABO-DE-SAIA, NOITES VIRADAS, LUZ NEGRA, PÉ-DE-BALCÃO, CAMA REDONDA E OUTROS CURSINHOS IMPORTANTES. SÓ NÃO FIZ O DE CACHAÇA, PORQUE ESSE EU JÁ TRAZIA). EM 27 ANOS DE AGRADÁVEIS SERVIÇOS PRESTADOS NA MÃE CHESF, VASCULHEI O NORDESTE DE CABO A RABO. TENHO POR ESSA EMPRESA, UMA VERDADEIRA GRATIDÃO. PELO RIO SÃO FRANCISCO, TENHO UMA LINDA VENERAÇÃO. ELE ME PARECE UM SANTO. COSTUMO DIZER QUE ESSE RIO VALE MAIS QUE DEZ MILHÕES DE POLÍTICOS. SEMPRE TORCI FERVOROSAMENTE PELO PROJETO DE TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO. PRINCIPALMENTE POR PENSAR QUE A FINALIDADE PRINCIPAL DO VELHO CHICO É SERVIR Á POPULAÇÃO NECESSITADA. E UM PROJETO DO TEMPO DE D. PEDRO II, NUNCA SAIU DO PAPEL POR CULPA DE POLÍTICOS SALAFRÁRIOS. MAIS DE 100 ANOS DE SOFRIMENTOS, HUMILHAÇÕES E ATRASOS DE UM POVO CHEIO DE DECÊNCIA, DE DIGNIDADE.
NO 'GOVERNO LULA' HOUVE O PONTA-PÉ INICIAL E ESPERO QUE A DILMA TRAGA MUITA FORÇA E BOA VONTADE NA EXECUÇÃO DA OBRA E QUE DEUS COM A SUA SABEDORIA E BONDADE, PROTEJA ESSE PROJETO E NÃO O DEIXE POR AÍ NO ROL DAS OBRAS INACABADAS. NA CHESF, ‘ARRUDIANDO’ O NORDESTE POR ESTES SERTÕES QUERIDOS E SOFRIDOS, EU TIVE A SORTE DE PLANTAR, REGAR E COLHER OS FRUTOS DOS BONS CONVÍVIOS COM ESSE POVO BOM E AMIGO, NASCIDO E CRIADO NO SERTÃO, ONDE FUI ENGROSSANDO AS VEIAS DA POESIA. E DE TÃO ENFEITIÇADO PELAS COISAS DO SERTÃO, DEPOIS DE APOSENTADO (1991) FORAM SURGINDO MILHARES DE VERSOS E EU FUI TENTANDO FALAR DAS BELEZAS NATURAIS DO SERTÃO E DOS SEUS GUERREIROS QUERIDOS E INJUSTIÇADOS.


LIVROS PUBLICADOS:

COISAS DO SERTÃO E ÔTAS COISA
SERTÃO DE RIBA A BAXO
PASSADO NA PENEIRA
SERTÃO DE ESPINHOS E FLORES
SERTÃO DE RISOS E DORES
SERTÃO: O BERÇO DA POESIA
MEU SERTÃO SECO DE AJUDA
GARANHUNS, TERRA DAS FLORES, DE AMOR, DE PAZ E FRIO
DIZENDO COMO TE AMO
COQUITEL DE POESIAS
VAQUEJADAS E PRESEPADAS.

QUERO REGISTRAR AQUI A MINHA GRATIDÃO A QUEM PROCURA UMA FORMA DE ME AJUDAR.

UM ABRAÇO DE AMIZADE, DE PAZ E DE POESIA.


ALDEMAR.













sexta-feira, 30 de setembro de 2011

QUANDO SE PERDE A ILUSÃO.

QUANDO SE PERDE A ILUSÃO.



COMEÇA A LUTA DA VIDA
NA HORA QUE A GENTE NASCE
PRA DEPOIS VER COM REALCE
NOSSA ILUSÃO PERDIDA.
A MINHA MISSÃO CUMPRIDA
A MORTE NÃO LEVA EM CONTA
A TODA HORA ME AFRONTA
E SÓ HOJE É QUE PERCEBO
A VIDA É UM PAU-DE-SEBO
COM NOTAS FALSAS NA PONTA.

O MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ


O MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.


VAI LONGE, MUITO DISTANTE
VAI TÃO LONGE QUE FAZ MEDO
QUANDO UM ANTIGO ARVOREDO
PRA MIM FOI MUITO IMPORTANTE.
EU ERA UM PEQUENO INFANTE
NOS BRAÇOS DE UMA BABÁ
JÁ APONTAVA PRA LÁ
PEDIA CHORAMINGANDO
PRA FICAR ENGATINHANDO
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

QUANTA PAZ NO CORAÇÃO
A NATUREZA ME DAVA
NO TEMPO QUE EU BRINCAVA
COM CARRO DE PAPELÃO.
NÃO TINHA HABILITAÇÃO
UNIFORME NEM CRAXÁ
MAS EU TINHA UM ALVARÁ
QUE DEUS ME DEU DE PRESENTE
PRA DIRIGIR LIVREMENTE
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

EU BRINCAVA BEM REAL
DE CRIAR GADO ZEBU
CADA CAROÇO DE IMBU
ERA UM BOI NO MEU CURRAL.
O MEU CAVALO DE PAU
SE CHAMAVA MANGANGÁ
MINHA MENTE AINDA ESTÁ
PENSANDO QUE ERA VERDADE
SÓ PRA CRESCER A SAUDADE
DO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

EU AINDA BEM NOVINHO
RECITAVA POESIA
A MOÇA RETRIBUIA
COM UM BEIJO E UM CARINHO.
LÁ NO ALTO UM PASSARINHO
CANTAVA SEU BÊ-A-BÁ
ERA UM LINDO SABIÁ
CHEIO DE CUMPLICIDADE
DOBRANDO A FELICIDADE
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

VELHO QUERIDO ARVOREDO
MEU COMPANHEIRO E AMIGO
QUE SOUBE GUARDAR COMIGO
AQUELE DOCE SEGREDO.
E EU NUNCA TIVE MEDO
QUE PUDESSE ALGUÉM ESTÁ
SABENDO DO BAFAFÁ
DAS LOUCURAS QUE EU FAZIA
COM ELA NA SOMBRA FRIA
DO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

A MOCIDADE QUERIDA
PASSA TÃO RAPIDAMENTE
PASSA QUE A GENTE NEM SENTE
QUE SÓ TEM UMA NA VIDA.
SE ELA FOSSE REPETIDA
EU VOLTARIA PRA LÁ
PRA OUVIR O SABIÁ
SENTIR DA MOÇA O CALOR
DIZER MIL VERSOS DE AMOR
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.
















domingo, 25 de setembro de 2011

ESQUISITICES DO AMOR.


ESQUISITICES DO AMOR.


NOSSO AMOR FOI TÃO BONITO
IGUAL A FLOR DO JASMIM
NÃO HAVIA TEMPO RUIM
INGRATIDÃO NEM ATRITO.

E SE O AMOR É INFINITO
E INFINITO NÃO TEM FIM
ESTOU ACHANDO ESQUISITO
NOSSO AMOR FINDAR ASSIM.


sábado, 24 de setembro de 2011

DEU ADEUS E FOI EMBORA.

DEU ADEUS E FOI EMBORA.




O AMOR É UM BICHINHO
QUE NÃO TEM CIVILIDADE
ENTRA SEM PEDIR LICENÇA
FAZ ESTRAGO, FAZ MALDADE
DÁ ADEUS E VAI EMBORA
DEIXA O PRANTO DE QUEM CHORA
AGUANDO UM PÉ DE SAUDADE.


sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O MEU PÉ DE IMBUZEIRO.

O MEU PÉ DE IMBUZEIRO.

(Inspirado em um texto publicado no Recanto das Letras,
pelo meu amigo e grande poeta Aristóteles Lima.)



REVENDO A VIDA PASSADA
MEU PENSAMENTO CORRIA
FOI ATÉ ONDE EU VIVIA
NA MINHA INFÂNCIA ADORADA.
DO RANCHO NÃO TEM MAIS NADA
SÓ RESTA A DOCE SAUDADE
O TEMPO SEM PIEDADE
DESTRUIU MEU LAR AMIGO
QUE FOI MEU FELIZ ABRIGO
NO TEMPO DA MOCIDADE.

E O PÉ DE IMBUZEIRO?

DE BAIXO DO IMBUZEIRO
FOI MINHA DOCE MORADA
LÁ NÃO ME FALTAVA NADA
FUI FELIZ O TEMPO INTEIRO.
AINDA RECORDO O CHEIRO
QUE HAVIA EM SUA FLOR
DO FRUTO LEMBRO O SABOR
DA SOMBRA SINTO SAUDADE
E LEVO PRA ETERNIDADE
GRATIDÃO E MUITO AMOR.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

OS OLHOS DA NATUREZA.



OS OLHOS DA NATUREZA.



O SERTÃO SOFRE NA SECA
COMO UM PAÍS NUMA GUERRA
QUANDO VEM A TROVOADA
MOLHANDO A ABA DA SERRA
SÃO AS LÁGRIMAS DE TRISTEZA
QUE OS OLHOS DA NATUREZA
JOGAM POR CIMA DA TERRA.



quarta-feira, 21 de setembro de 2011

DESABAFO.

DESABAFO.



TEM ÁGUA QUE NÃO É DOCE
TEM CÃO QUE NÃO É AMIGO
ROSEIRA QUE NÃO DÁ FLORES
CASA QUE NÃO DÁ ABRIGO
VELA QUE NÃO FICA ACESA
COISAS DESSA NATUREZA
EU SÓ COMPARO CONTIGO.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

UMA NOITE DE SÃO JOÃO.

UMA NOITE DE SÃO JOÃO.



QUE MARAVILHA!
QUANDO O MÊS DE JUNHO FINDA
OH! MEUS DEUS QUE COISA LINDA
UMA NOITE DE SÃO JOÃO.
QUANTA BELEZA
QUANDO A FOGUEIRA SE ACENDE
E COM ELA O SOL APRENDE
PINTAR O CÉU DO SERTÃO.

SOBE DO CHÃO
UMA NUVEM DE CENTELHAS
PARECEM GOTAS VERMELHAS
DE ORVALHO INCANDESCENTE.
O VENTO LEVA
PARA O CÉU O FUMAÇEIRO
PRA SÃO JOÃO SENTIR O CHEIRO
DO LINDO SERTÃO DA GENTE.

BEM SALIENTE
NUMA LATADA DE PALHA
NO CHÃO BATIDO SE ESPALHA
UM CASAL DANÇANDO XOTE.
E VÃO SENTINDO
O CHEIRO DE MILHO ASSADO
QUE VEM TODO MISTURADO
COM PERFUME DE CANGOTE.

NO PÉ DO POTE
A CERVEJA SE OFERECE
COPO SOBE, COPO DESCE
NO BOTEQUIM DO TERREIRO.
UM FOGUETÃO
NOS ARES DÁ UM PAPOCO
UM CACHORRO FEITO LOUCO
SE PERDE NO TABULEIRO.

FACA DE MESA
NA MÃO DA MOÇA SOLTEIRA
NO TRONCO DA BANANEIRA
FALA DO SEU CASAMENTO
UMA RIÚNA
NA MÃO DO DONO DA CASA
DÁ UM TIRO ESPALHA A BRASA
DEIXA O TERREIRO CINZENTO.

TEM NO BRASEIRO
A BATATA, O MILHO ASSADO
QUEIJO DE COALHO SALGADO
CARNE DE BODE E DE BOI.
O VENTO EMPURRA
LINDO BALÃO DE PAPEL
VAI LEVANDO ATÉ O CÉU
RECADO PRA QUEM JÁ FOI.

LÁ NA COZINHA
NO BULE VELHO SEM ASA
O CAFÉ TORRADO EM CASA
LIGEIRO DESAPARECE.
A CAMPONESA
NO COLO SEGURA O FILHO
CANSADA DE RALAR MILHO
COCHILA QUE A BABA DESCE.

A MOÇA VELHA
FUTUCANDO O NAMORADO
FICA NAQUELE AGARRADO
COM RAIVA DO CANDEEIRO.
NA SALA GRANDE
SAI UM LINDO BAFAFÁ
DA SANFONA, DO GANZÁ
DO ZABUMBA E DO PANDEIRO.

DE MADRUGADA
TEM UM CASAL NO MONTURO
DÁ UM TEMPO NO ESCURO
FAZENDO NÃO SEI O QUE.
O RAPAZ VELHO
BEBEU QUE PASSOU DA CONTA
CAIU QUE VIROU A PONTA
SÓ VAI SAIR DE BANGUÊ.

A DAMA VELHA
FICA ALI DE OLHO ABERTO
QUANDO ACHA O CABRA CERTO
COMEÇA O SHOU NO SALÃO.
E O SEU PASSO
NO COMPASSO MIUDINHO
PARECE COM UM PINTINHO
CATANDO XERÉM NO CHÃO.

EM NOSSA FESTA
JÁ NÃO SE FALA EM QUADRILHA
QUADRILHA LEMBRA BRASÍLIA
QUE SÓ TRAZ IRRITAÇÃO.
VAMOS BRINCAR
VAMOS DANÇAR E BEBER
VAMOS TENTAR ESQUEÇER
AS QUADRILHAS DE LADRÃO.

LÁ NO TERREIRO
A MATUTA QUE USA SAIA
CORRE MAIS DE QUE LACRAIA
COM MEDO DO BUSCAPÉ.
UMA VISITA
DEVORA UM BOLO SOLADO
DO MILHO QUE FOI PLANTADO
NO DIA DE SÃO JOSÉ.

AO MEIO DIA
A MULHER DE PERNA FRACA
O MARMANJO DE RESSACA
SE DESPEDEM NO SALÃO.
QUE NOITE LINDA
TODOS SE ABRAÇAM EM PAZ
E PARA O ANO TEM MAIS
UMA NOITE DE SÃO JOÃO.


Não perca o maior São João do mundo.
Em Caruaru-Pe. Seja bem-vindo!

UM AUTÔMATO.

UM AUTÔMATO.



TENHO SAUDADE
DOS VERSINHOS QUE EU FAZIA
QUANDO EU TINHA A POESIA
DENTRO DO MEU CORAÇÃO.
HOJE EM DIA
JÁ NÃO TENHO ESSA VONTADE
A INSENSIBILIDADE
MATOU MINHA INSPIRAÇÃO.

NÃO SINTO NADA
SE ESCUTO OS TROVADORES
QUANDO PASSO PELAS FLORES
NÃO PERCEBO SEUS PERFUMES.
MEUS SEGREDOS
MEUS PERTENCES, MEUS GUARDADOS
SÃO EXPOSTOS, SÃO MOSTRADOS
DELES NÃO TENHO CIÚMES.

MEU VIOLÃO
SEMPRE FOI MUITO MIMADO
EU FICAVA ENCIUMADO
ATÉ DE ALGUÉM OUVIR.
POBRE COITADO
JÁ CANSOU DE ME ESPERAR
E VOCÊ HOJE PRA TOCAR
NÃO PRECISA NEM PEDIR.

TUDO MUDOU
ME FALTA IMAGINAÇÃO
NÃO TENHO CONCENTRAÇÃO
MUDOU HÁBITOS E COSTUMES.
O MEU CAVALO
DOS MEUS OLHOS A MENINA
DESPREZADO NA CAMPINA
DELE NÃO TENHO CIÚMES.

MEU SACA ROLHAS
ERA SUBUTILIZADO
HOJE É TÃO SOLICITADO
NÃO PÁRA MAIS, COITADINHO.
A POESIA
NÃO TÁ NO MEU UNIVERSO
COMO É QUE SE FAZ VERSO
COM A MENTE EM DESALINHO?

QUE COISA LINDA
O JARDIM DA MÃE RAINHA
MAS ONTEM DE TARDEZINHA
EU NÃO VI NEM UMA HORTÊNCIA.
E DESSA FORMA
SE JESUS NÃO ME AJUDAR
EU FICO ATÉ SEM NOTAR
DO SEU PAI A EXISTÊNCIA.

SANTO ANTÔNIO
ME FAÇA UMA CARIDADE
MINHA SENSIBILIDADE
ESTÁ NAS MÃOS DO SENHOR.
PARA TRAZER
DE VOLTA A INSPIRAÇÃO
A MENTE E O CORAÇÃO
MANDE VOLTAR MEU AMOR.

MINHA DOCE FAXINEIRA.

MINHA DOCE FAXINEIRA.



MINHA QUERIDA!
VEM FAZER UMA FAXINA
HOJE A MINHA DISCIPLINA
É UM PAU DE GALINHEIRO.
PASSA A VASSOURA!
RASPA A SUJEIRA DA MENTE
DEIXA TUDO TRANSPARENTE
ELIMINA ESSE MAU CHEIRO.

LAVA A CABEÇA
RETIRA TODA IMPUREZA
JOGA BEM LONGE A TRISTEZA
DE MEU PEITO AMARROTADO.

BATE COM FORÇA
ESPANANDO A SOLIDÃO
DÁ UM CHUTE, UM EMPURRÃO
NESSE CORAÇÃO SAFADO.

PASSA A FLANELA
PASSA LIXA SE PRECISO
RECUPERA MEU SORRISO
MINHA SENSIBILIDADE.

VER SE ME DEIXA
O PENSAMENTO ORGANIZADO
E DAS COISAS DO PASSADO
DEIXE SOMENTE A SAUDADE.

PASSA UMA BUCHA
COMO QUEM PASSA NUM FILHO
VER SE RECUPERA O BRILHO
QUE SUMIU DO MEU OLHAR.
ASPIRA O PÓ
DO SENTIMENTO DE REVOLTA
SOPRA TUDO E TRAZ DE VOLTA
O MEU ANTIGO ALDEMAR.








NUVENS BRANCAS DE MAINHA.



NUVENS BRANCAS DE MAINHA.



ACHEI LINDO O NEVOEIRO
QUE EU VI DE MANHÃNZINHA
PENSEI QUE ERA MAINHA
NO CÉU VARRENDO O TERREIRO.
EU ME LEMBREI DO BOEIRO
DO NOSSO FOGÃO DE BRASA
DA NUVEM BRANCA QUE VASA
NA BOCA DA CHAMINÉ
COM O CHEIRINHO DO CAFÉ
QUE MAMÃE TORRAVA EM CASA.




UM “DIA DAS MÃES” É MUITO POUCO.
QUE TAL O ANO TODO?
VAMOS MUDAR?

NO SOFÁ DAS ORAÇÕES.

NO SOFÁ DAS ORAÇÕES.



ERA UM SOFÁ VELHINHO
ONDE A MINHA MÃE REZAVA
O SEU CABELO LEMBRAVA
UM ALGODÃO, BEM BRANQUINHO.
UMA AVE EM SEU NINHO
DISTRIBUINDO ALEGRIA
CANTANDO PASSAVA O DIA
*TEUS LÁBIOS DE ROSA PARA MIM SORRINDO
OH! MEU DEUS, COMO ERA LINDO
TUDO QUE MAMÃE FAZIA!

HAVIA UM CHEIRO MEDONHO
EM SEUS CABELOS BRANQUINHOS
NA VOZ HAVIA CARINHOS
SEU OLHAR ERA RISONHO.
EMBALADA EM ALGUM SONHO
ENTREGAVA-SE AOS COCHILOS
E OS SEUS FILHOS TRANQUILOS
OU AS CRIANÇAS PEQUENAS
QUE CURTIAM SEUS POEMAS
ESPERAVAM PARA OUVI-LOS.

**QUANTAS SAUDADES EU TENHO
DA AURORA DA MINHA VIDA
DA MINHA INFÂNCIA QUERIDA
QUE OS TEMPOS NÃO TRAZEM MAIS.

LINDO É SENTIR EMOÇÕES
É RELEMBRAR O PASSADO
É REVER UM SER AMADO
QUE CONFORTA OS CORAÇÕES.
NO SOFÁ DAS ORAÇÕES
VEJO PASSADOS DISTANTES
LEMBRANÇAS INEBRIANTES
ONDE MAMÃE BEM PRESENTE
FAZ-ME SENTIR NOVAMENTE
TODA ALEGRIA DE ANTES.




*ÍNDIA. Linda canção composta por Cascatinha e Inhana.
** MEUS OITO ANOS. Lindo poema de Cassimiro de Abreu.

NO AZUL DO INFINITO.

NO AZUL DO INFINITO.



AS SEIS HORAS NO SERTÃO
FECHA-SE A PORTA DO DIA
A SANTA VIRGEM MARIA
ABRE PRA A NOITE O PORTÃO.
MAMÃE FAZ UMA ORAÇÃO
E OUTRO ANJO UM BENDITO
UM ASTERÓIDE BONITO
RONDA A CASA DE JESUS
DEIXANDO UM RASTRO DE LUZ
NO AZUL DO INFINITO.

NEM RISO NEM FANTASIA.

NEM RISO NEM FANTASIA.



NÃO HÁ PAZ ENTRE OS HUMANOS
NO MAR NÃO HÁ CALMARIA
NÃO HÁ RISO OU FANTASIA
NEM AMOR ENTRE OS TIRANOS.
NÃO HÁ PODER NOS SOBERANOS
ENCANTOS NA POESIA
DAS NUVENS A SOMBRA FRIA
NÃO CONFORTA UM PEREGRINO
SEM O OLHAR DO DIVINO
FILHO DA VIRGEM MARIA.

NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.




PARA ME LIVRAR DE PESADELOS
EU QUERO ME ACORDAR JUNTO DE TI
COMO NAQUELAS NOITES QUE OUVI
TEU OLHAR A ME FAZER APELOS.
EU QUERO ALIZANDO OS TEUS CABELOS
ENTRE BEIJOS E AFAGOS TE ACORDAR
ENTRE ABRAÇOS, UM BOM DIA DESEJAR
ENTRE LENÇÓIS TE PROVOCAR Á BESSA
MAS SE HOJE NADA DISSO TE INTERESSA
NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

EU QUERO AO CHEGAR AOS RESTAURANTES
BEBER TODAS PRA FICAR MAIS CARINHOSO
E TE AFAGANDO VOU DIZER BEM VAGAROSO
TUDO AQUILO QUE NÃO SOUBE DIZER ANTES.
PARA VER EM TEUS OLHOS DOIS BRILHANTES
EU QUERO EM TEU OUVIDO SUSSURRAR
AS PALAVRAS MAIS BONITAS QUE ACHAR
CORTADAS POR UM BEIJO SEM TER PRESSA
PORÉM SE HOJE NADA DISSO TE INTERESSA
NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

QUERO ANDAR COM VOCÊ PELAS COLINAS
ENTRE JARDINS QUE RELEMBRAM PARAÍSOS
ARQUIVAR EM MINHA MENTE TEUS SORRISOS
SENTIR CONTIGO O PERFUME DAS CAMPINAS.
OS MEUS OLHOS COMO ESTRELAS MATUTINAS
VÃO BRILHAR DE AMOR PRA TE OFERTAR
TODAS AS FLORES QUE HOUVER QUERO TE DAR
FAZER AMOR BEM ANTES QUE VOCÊ PEÇA
PORÉM SE HOJE NADA DISSO TE INTERESSA
NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

SÓ DEUS SABE O QUANTO EU PRECISO
TODAS AS TARDES, AS NOITES E MANHÃS
SENTIR EM VOCÊ O GOSTINHOS DAS MAÇÃS
QUE ELE MESMO INTRODUZIU NO PARAÍSO.
SÓ DEUS SABE O QUANTO O TEU SORRISO
MULTIPLICA O MEU PRAZER DE TE OLHAR
SÓ DEUS SABE O QUANTO QUERO TE TOCAR
COM A PONTINHA DOS DEDOS BEM DEPRESSA
PORÉM SE HOJE NADA DISSO TE INTERESSA
NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

EU QUERO APRISIONAR-TE NOS MEUS BRAÇOS
COM OS DEDOS EMARANHANDO TEUS CABELOS
COM MEUS LÁBIOS DESARREPIANDO OS PELOS
UMA CERVEJA COMBATENDO OS EMBARAÇOS.
COM MEUS PASSOS CERTOS COM TEUS PASSOS
POR CAMINHOS SEM FIM EU QUERO ANDAR
PLANTAR FLORES E COLHER PRA TE OFERTAR
E TE PROVAR QUE NÃO TENHO SÓ PROMESSA
PORÉM SE HOJE NADA DISSO TE INTERESSA
NÃO QUERO NEM SABER, SÓ QUERO AMAR.

NA VALENTIA DO VENTO.

NA VALENTIA DO VENTO.



QUERO O ROÇADO FLORIDO
UM CORDEL BREJEIRO E FRANCO
APAGANDO O PRETO E BRANCO
DO MEU SERTÃO COLORIDO.
QUERO TROVÃO BEM GEMIDO
MODULANDO UMA CANÇÃO
CAPIM DEITADO NO CHÃO
NA VALENTIA DO VENTO
VER MEU PAI NO FIRMAMENTO
SORRINDO PARA O SERTÃO.

NA CAFUNDA DA PENTAGÓRIA.


NA CAFUNDA DA PENTÁGÓRIA.

Em homenagem ao afastamento
definitivamente provisório
de um cardiologista nosso amigo e grande
POETA DE BRANCO.



VI O POETA SAINDO
DA MENETÉRIA DOURADA
DEIXOU A GENTE SEM NADA
COM A CAFUNDA CAINDO.
O BISTURI TAVA LINDO
ABRINDO PORTA E PORTEIRA
O MENINO E A PARTEIRA
DESCANSARAM NO SEU BRAÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

NA PENTAGÓRIA DO DIA
O FIRUFI DAVA AÇOITE
A CAFUNDA MEIA NOITE
VOLTAVA QUANDO ELE IA.
HOJE A MINHA POESIA
NÃO FEDE TAMBÉM NÃO CHEIRA
UM POETA DE PRIMEIRA
TIROU DE MIM UM PEDAÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

SE FORES AO MEU SERTÃO
VAIS PROVAR DO MEU CAPIM
SE GOSTAR DE BANDOLIM
EU TE DOU MEU VIOLÃO.
DOU A VARA DE FERRÃO
UTI NUMA COLCHEIRA
REMÉDIO BOM PRA COCEIRA
É COMPRAR UNHA DE AÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

COPO COM ASA É CANECO
JESUS É PERNAMBUCANO
MADALENA NO PIANO
SÃO PEDRO NO RECO-RECO
BACORAU NÃO É MARRECO
BARATO É RESTO DE FEIRA
LAMPIÃO COM A PEIXEIRA
ME DEU SINAL DE FRACASSO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

EU SINTO LASCADAMENTE
ESSA TRISTE DESPEDIDA
A COISA PIOR DA VIDA
É NÃO SOFRER AGUARDENTE
MAS NÃO SE ESQUEÇA DA GENTE
VOLTE NA SEGUNDA-FEIRA
DE JALECO E DE PEIXEIRA
AGULHA PRA DÁ O LAÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

SEUS VERSOS TÊM O SABOR
DE DOIS TIROS DE CANHÃO
TÊM A FORÇA DE SANSÃO
O ENCANTO DUMA FLOR.
EU SINTO NO PEITO A DOR
CHOREI UMA CACHOEIRA
NA ALMA FALTA UMA BEIRA
NA MENTE FALTA UM PEDAÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

POETA DE QUALIDADE
A QUEM ADMIRO TANTO
HOJE ESCORRE NO RECANTO
UM RIACHO DE SAUDADE.
MAS DEIXOU GRANDE AMIZADE
BEM RIMADA E VERDADEIRA
DAQUELA QUE VIVE INTEIRA
COM UM NÓ CEGO NO LAÇO
EU QUERENDO TAMBÉM FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.

VÁ ANDAR PELAS CIDADES
COM DEUS E NOSSA SENHORA
LEVANDO A LUZ DA AURORA
A QUEM TEM NECESSIDADES.
E QUANDO SENTIR SAUDADES
DESEMBESTE NA CARREIRA
SUBA DESCENDO LADEIRA
PRA NOS DÁ O SEU ABRAÇO
VENHA FAZER COMO EU FAÇO
IGUALZINHO A ZÉ LIMEIRA.









UM PILÃO DE PEDRA AZUL.

UM PILÃO DE PEDRA AZUL.



NA MENTE EU AINDA VEJO
AS TARDES QUE EU FAZIA
VISITINHAS PRA MARIA
NUM RANCHINHO SERTANEJO.
ELA É O MEU DESEJO
BONITA COMO NINGUÉM
DE PERNAS QUE NINGUÉM TEM
UMA NO NORTE OUTRA NO SUL
NO PILÃO DE PEDRA AZUL
QUEBRA O MILHO DO XERÉM.

EU SINTO AMOR EM SEU PEITO
REBOLADO NOS SEUS PASSOS
DOÇURA NOS SEUS ABRAÇOS
O PERFUME DE SEU LEITO.
CANTA UM AMOR PERFEITO
DEBAIXO DO AVELOZ
COM A SUA LINDA VOZ
CAPRICHA NO ESTRIBILHO
NO PILÃO DE QUEBRAR MILHO
PRA FAZER CUSCUZ PRA NÓS.

NO BALANÇO RITMADO
QUE SÓ ELA FAZ DIREITO
SOBE PEITO E DESCE PEITO
NAQUELE PILÃO DEITADO.
PISANDO O CAFÉ TORRADO
A MÃO DE PILÃO NA MÃO
DENTRO DAQUELE PILÃO
UM MONTÃO DE POESIA
VI O PILÃO DE MARIA
PILANDO O MEU CORAÇÃO.

MINHA MUSA INSPIRADORA.

MINHA MUSA INSPIRADORA.


SE EU NÃO PENSO EM VOCÊ
O MEU VERSO É UM FRACASSO
COM VOCÊ NA MINHA MENTE
ACABA MEU EMBARAÇO
E FICA UM POUCO DE VOCÊ
EM CADA VERSO QUE EU FAÇO

AS VEZES VOU Á VARANDA
RECITANDO MINHAS PROSAS
VEJO VOCÊ NO JARDIM
CUIDANDO DE MINHAS ROSAS
E EU SEI QUE É POR ISSO
QUE ELAS SÃO TÃO CHEIROSAS.

QUANDO OLHO PARA O CÉU
VEJO AS ESTRELAS TÃO BELAS
E VEJO VOCÊ AQUI
BRILHANDO MAIS DO QUE ELAS
QUANDO FAÇO POESIAS
VEJO VOCÊ DENTRO DELAS.






DE BRAÇOS DADOS COM A SAUDADE.

DE BRAÇOS DADOS COM A SAUDADE.


LEMBRO MUITO DO SERTÃO
DOS ENCANTOS E DAS DORES
DOS ESPINHOS E DAS FLORES
DO INVERNO E DO VERÃO.
MORA NO MEU CORAÇÃO
A SAUDADE DO PASSADO
ELA TEM ME AJUDADO
ALICERÇAR O FUTURO
EU CAMINHO MAIS SEGURO
COM A SAUDADE DE LADO.


A NOITE VEM.

A NOITE VEM.



ÁS SEIS HORAS NO SERTÃO
FECHA-SE A PORTA DO DIA
A SANTA VIRGEM MARIA
ABRE PRA NOITE O PORTÃO.
MAMÃE FAZ UMA ORAÇÃO
E OUTRA SANTA UM BENDITO
UM ASTERÓIDE BONITO
RONDA A CASA DE JESUS
DEIXANDO UM RASTRO DE LUZ
NO AZUL DO INFINITO.

ERA MAMÃE, COM CERTEZA.

COM CERTEZA, ERA MAMÃE.



ERA ALVORADA AINDA
AQUELE DOCE MOMENTO
QUE OUVÍ NUM PÉ DE VENTO
UMA VOZ. OH! QUE VOZ LINDA!
DE SUAVIDADE INFINDA
DE CALMA, DE SUTILEZA
E PELA RARA BELEZA
DAQUELA VOZ, ASSEGURO
SE PRECISO FOR, EU JURO
ERA MAMÃE, COM CERTEZA.

AQUELES CABELOS BRANCOS.

AQUELES CABELOS BRANCOS...



ACORDEI ANTES DA HORA
PRA VER AS FLORES DOS CAMPOS
VI FARÓIS DE PIRILAMPOS
AINDA ACESOS LÁ FORA.
PRA ENFEITAR A AURORA
NO HORIZONTE JÁ VINHA
UMA NUVEM BEM BRANQUINHA
PINTANDO UM QUADRO TÃO LINDO
QUE EU ME LEMBRAVA SORRINDO
DOS CABELOS DE MAINHA.

AURORA DE BELEZA ESPECIAL.

AURORA DE BELEZA ESPECIAL.



É DESLUMBRANTE NA AURORA
O CANTO ALEGRE DAS AVES
SÃO CANÇÕES LINDAS, SUAVES
QUE TANTO ESCUTEI OUTRORA.
EU ME LEMBRO NESSA HORA
DA VOZ DE MAMÃE TÃO LINDA
TÃO MEIGA E TÃO BEM-VINDA
QUANTO A VOZ DE UM PASSARINHO
E EU OUVI TANTO EM MEU NINHO
QUE ATÉ HOJE ESCUTO AINDA.