ABRAÇÃO DE BOAS-VINDAS.



PODE ENTRAR. FIQUE Á VONTADE.

VOCÊ NO CANTO DA POESIA,

AO ENTRAR TRAZ ALEGRIA

AO SAIR DEIXA SAUDADE.

UM POUCO DE MIM



SOU PERNAMBUCANO NASCIDO EM GARANHUNS. CRIADO NO MATO, NA FAZENDA LAGOA DE BELAMENTE, DISTANTE 12 KM DO COLÉGIO DIOCESANO ONDE ESTUDEI O 1º CICLO. ANTES DISSO ESTUDAVA EM CASA NUMA ESCOLA RURAL FUNDADA POR MEU PAI, NO TEMPO DA PALMATÓRIA.
FOI UMA LINDA INFÂNCIA, CONVIVENDO COM UM POVO SIMPLES, HONESTO E TRABALHADOR.
APRENDI GOSTAR, ADMIRAR E SEGUIR ESSA GENTE BOA, HUMILDE, SINCERA, SOFREDORA, CHEIA DE SABEDORIA, DE RESPONSABILIDADE E DE ALMA FORROZEIRA, VERSOS BREJEIROS, DE BENDITOS E REISADOS, DE ABOIOS E TOADAS, DAS CONVERSAS SEMPRE AFINADAS E AS VIOLAS TAMBÉM.
DEPOIS DE HOMEM QUASE FEITO, FUI AOS POUCOS ME AFASTANDO, COMO TODOS OS RAPAZES DE CIDADES SEM INDÚSTRIAS, QUE SAEM A PROCURA DE MELHORES RUMOS. ESTIVE NA AERONÁUTICA, EM RECIFE, DOIS ANOS. EM 60 FUI TRABALHAR NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. MAS MEU PENSAMENTO VIVIA NO NORDESTE, NA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO, CHESF. EM 64 CONSEGUI UMA VAGA E ENTREI NA
MÃE CHESF. NELA GANHEI E GOZEI A VIDA. FIZ O 2º CICLO EM RECIFE E FIZ 8 CURSOS TÉCNICOS POR CONTA DA EMPRESA. (E POR MINHA CONTA ME ESPECIALIZEI EM DANÇA-DE-RODA, RABO-DE-SAIA, NOITES VIRADAS, LUZ NEGRA, PÉ-DE-BALCÃO, CAMA REDONDA E OUTROS CURSINHOS IMPORTANTES. SÓ NÃO FIZ O DE CACHAÇA, PORQUE ESSE EU JÁ TRAZIA). EM 27 ANOS DE AGRADÁVEIS SERVIÇOS PRESTADOS NA MÃE CHESF, VASCULHEI O NORDESTE DE CABO A RABO. TENHO POR ESSA EMPRESA, UMA VERDADEIRA GRATIDÃO. PELO RIO SÃO FRANCISCO, TENHO UMA LINDA VENERAÇÃO. ELE ME PARECE UM SANTO. COSTUMO DIZER QUE ESSE RIO VALE MAIS QUE DEZ MILHÕES DE POLÍTICOS. SEMPRE TORCI FERVOROSAMENTE PELO PROJETO DE TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO. PRINCIPALMENTE POR PENSAR QUE A FINALIDADE PRINCIPAL DO VELHO CHICO É SERVIR Á POPULAÇÃO NECESSITADA. E UM PROJETO DO TEMPO DE D. PEDRO II, NUNCA SAIU DO PAPEL POR CULPA DE POLÍTICOS SALAFRÁRIOS. MAIS DE 100 ANOS DE SOFRIMENTOS, HUMILHAÇÕES E ATRASOS DE UM POVO CHEIO DE DECÊNCIA, DE DIGNIDADE.
NO 'GOVERNO LULA' HOUVE O PONTA-PÉ INICIAL E ESPERO QUE A DILMA TRAGA MUITA FORÇA E BOA VONTADE NA EXECUÇÃO DA OBRA E QUE DEUS COM A SUA SABEDORIA E BONDADE, PROTEJA ESSE PROJETO E NÃO O DEIXE POR AÍ NO ROL DAS OBRAS INACABADAS. NA CHESF, ‘ARRUDIANDO’ O NORDESTE POR ESTES SERTÕES QUERIDOS E SOFRIDOS, EU TIVE A SORTE DE PLANTAR, REGAR E COLHER OS FRUTOS DOS BONS CONVÍVIOS COM ESSE POVO BOM E AMIGO, NASCIDO E CRIADO NO SERTÃO, ONDE FUI ENGROSSANDO AS VEIAS DA POESIA. E DE TÃO ENFEITIÇADO PELAS COISAS DO SERTÃO, DEPOIS DE APOSENTADO (1991) FORAM SURGINDO MILHARES DE VERSOS E EU FUI TENTANDO FALAR DAS BELEZAS NATURAIS DO SERTÃO E DOS SEUS GUERREIROS QUERIDOS E INJUSTIÇADOS.


LIVROS PUBLICADOS:

COISAS DO SERTÃO E ÔTAS COISA
SERTÃO DE RIBA A BAXO
PASSADO NA PENEIRA
SERTÃO DE ESPINHOS E FLORES
SERTÃO DE RISOS E DORES
SERTÃO: O BERÇO DA POESIA
MEU SERTÃO SECO DE AJUDA
GARANHUNS, TERRA DAS FLORES, DE AMOR, DE PAZ E FRIO
DIZENDO COMO TE AMO
COQUITEL DE POESIAS
VAQUEJADAS E PRESEPADAS.

QUERO REGISTRAR AQUI A MINHA GRATIDÃO A QUEM PROCURA UMA FORMA DE ME AJUDAR.

UM ABRAÇO DE AMIZADE, DE PAZ E DE POESIA.


ALDEMAR.













sexta-feira, 30 de setembro de 2011

QUANDO SE PERDE A ILUSÃO.

QUANDO SE PERDE A ILUSÃO.



COMEÇA A LUTA DA VIDA
NA HORA QUE A GENTE NASCE
PRA DEPOIS VER COM REALCE
NOSSA ILUSÃO PERDIDA.
A MINHA MISSÃO CUMPRIDA
A MORTE NÃO LEVA EM CONTA
A TODA HORA ME AFRONTA
E SÓ HOJE É QUE PERCEBO
A VIDA É UM PAU-DE-SEBO
COM NOTAS FALSAS NA PONTA.

O MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ


O MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.


VAI LONGE, MUITO DISTANTE
VAI TÃO LONGE QUE FAZ MEDO
QUANDO UM ANTIGO ARVOREDO
PRA MIM FOI MUITO IMPORTANTE.
EU ERA UM PEQUENO INFANTE
NOS BRAÇOS DE UMA BABÁ
JÁ APONTAVA PRA LÁ
PEDIA CHORAMINGANDO
PRA FICAR ENGATINHANDO
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

QUANTA PAZ NO CORAÇÃO
A NATUREZA ME DAVA
NO TEMPO QUE EU BRINCAVA
COM CARRO DE PAPELÃO.
NÃO TINHA HABILITAÇÃO
UNIFORME NEM CRAXÁ
MAS EU TINHA UM ALVARÁ
QUE DEUS ME DEU DE PRESENTE
PRA DIRIGIR LIVREMENTE
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

EU BRINCAVA BEM REAL
DE CRIAR GADO ZEBU
CADA CAROÇO DE IMBU
ERA UM BOI NO MEU CURRAL.
O MEU CAVALO DE PAU
SE CHAMAVA MANGANGÁ
MINHA MENTE AINDA ESTÁ
PENSANDO QUE ERA VERDADE
SÓ PRA CRESCER A SAUDADE
DO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

EU AINDA BEM NOVINHO
RECITAVA POESIA
A MOÇA RETRIBUIA
COM UM BEIJO E UM CARINHO.
LÁ NO ALTO UM PASSARINHO
CANTAVA SEU BÊ-A-BÁ
ERA UM LINDO SABIÁ
CHEIO DE CUMPLICIDADE
DOBRANDO A FELICIDADE
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

VELHO QUERIDO ARVOREDO
MEU COMPANHEIRO E AMIGO
QUE SOUBE GUARDAR COMIGO
AQUELE DOCE SEGREDO.
E EU NUNCA TIVE MEDO
QUE PUDESSE ALGUÉM ESTÁ
SABENDO DO BAFAFÁ
DAS LOUCURAS QUE EU FAZIA
COM ELA NA SOMBRA FRIA
DO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.

A MOCIDADE QUERIDA
PASSA TÃO RAPIDAMENTE
PASSA QUE A GENTE NEM SENTE
QUE SÓ TEM UMA NA VIDA.
SE ELA FOSSE REPETIDA
EU VOLTARIA PRA LÁ
PRA OUVIR O SABIÁ
SENTIR DA MOÇA O CALOR
DIZER MIL VERSOS DE AMOR
NO MEU PÉ DE IMBU-CAJÁ.
















domingo, 25 de setembro de 2011

ESQUISITICES DO AMOR.


ESQUISITICES DO AMOR.


NOSSO AMOR FOI TÃO BONITO
IGUAL A FLOR DO JASMIM
NÃO HAVIA TEMPO RUIM
INGRATIDÃO NEM ATRITO.

E SE O AMOR É INFINITO
E INFINITO NÃO TEM FIM
ESTOU ACHANDO ESQUISITO
NOSSO AMOR FINDAR ASSIM.


sábado, 24 de setembro de 2011

DEU ADEUS E FOI EMBORA.

DEU ADEUS E FOI EMBORA.




O AMOR É UM BICHINHO
QUE NÃO TEM CIVILIDADE
ENTRA SEM PEDIR LICENÇA
FAZ ESTRAGO, FAZ MALDADE
DÁ ADEUS E VAI EMBORA
DEIXA O PRANTO DE QUEM CHORA
AGUANDO UM PÉ DE SAUDADE.


sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O MEU PÉ DE IMBUZEIRO.

O MEU PÉ DE IMBUZEIRO.

(Inspirado em um texto publicado no Recanto das Letras,
pelo meu amigo e grande poeta Aristóteles Lima.)



REVENDO A VIDA PASSADA
MEU PENSAMENTO CORRIA
FOI ATÉ ONDE EU VIVIA
NA MINHA INFÂNCIA ADORADA.
DO RANCHO NÃO TEM MAIS NADA
SÓ RESTA A DOCE SAUDADE
O TEMPO SEM PIEDADE
DESTRUIU MEU LAR AMIGO
QUE FOI MEU FELIZ ABRIGO
NO TEMPO DA MOCIDADE.

E O PÉ DE IMBUZEIRO?

DE BAIXO DO IMBUZEIRO
FOI MINHA DOCE MORADA
LÁ NÃO ME FALTAVA NADA
FUI FELIZ O TEMPO INTEIRO.
AINDA RECORDO O CHEIRO
QUE HAVIA EM SUA FLOR
DO FRUTO LEMBRO O SABOR
DA SOMBRA SINTO SAUDADE
E LEVO PRA ETERNIDADE
GRATIDÃO E MUITO AMOR.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

OS OLHOS DA NATUREZA.



OS OLHOS DA NATUREZA.



O SERTÃO SOFRE NA SECA
COMO UM PAÍS NUMA GUERRA
QUANDO VEM A TROVOADA
MOLHANDO A ABA DA SERRA
SÃO AS LÁGRIMAS DE TRISTEZA
QUE OS OLHOS DA NATUREZA
JOGAM POR CIMA DA TERRA.



quarta-feira, 21 de setembro de 2011

DESABAFO.

DESABAFO.



TEM ÁGUA QUE NÃO É DOCE
TEM CÃO QUE NÃO É AMIGO
ROSEIRA QUE NÃO DÁ FLORES
CASA QUE NÃO DÁ ABRIGO
VELA QUE NÃO FICA ACESA
COISAS DESSA NATUREZA
EU SÓ COMPARO CONTIGO.